Criatividade, marketing, branding, comunicação, design, empreendedorismo, inovação, futurismo e outras temáticas do universo da economia criativa.

Burnout: Especialista explica como transtornos emocionais podem se tornar síndrome

Burnout: Cuidado com a rotina intensa de trabalho e as tensões do dia

0

Especialista explica como transtornos emocionais podem se tornar Síndrome de Burnout

- Publicidade -

Profissionais mais afetados são aqueles que possuem rotina intensa de trabalho e lidam diariamente com muita tensão e responsabilidade

A Síndrome de Burnout é um desequilíbrio emocional diretamente relacionado ao acúmulo de estresse por conta do trabalho. Também conhecida por Síndrome do Esgotamento Profissional, ela causa sintomas físicos e psicológicos, tais como dores musculares, insônia, transtorno de ansiedade e até distúrbios alimentares ou do sono.

 

Esse problema de saúde está se tornando cada vez mais recorrente nos consultórios, uma vez que o mundo mudou e a forma como os profissionais lidam com a carreira também. “A evolução tecnológica, o home office e os novos modelos de trabalho fizeram com que as pessoas trabalhassem cada vez mais. Basta parar para pensar e ver que hoje é natural responder um e-mail profissional depois do expediente”, analisa Renata Tavolaro, Head de Psicologia da orienteme, plataforma de gestão de saúde corporativa.

Talvez você goste de ler também:

- Publicidade -

A importância da tosa nos pets e como isto impacta na saúde dos bichanos

Os melhores documentários Brasileiros para você comemorar o Dia Nacional do Documentário em 2023

CUIDADO COM O BURNOUT

 

Segundo a especialista, essas mudanças trouxeram consequências negativas, entre elas, o cansaço excessivo, o estresse e a ansiedade. Quando não tratadas com acompanhamento profissional, podem evoluir para a Síndrome de Burnout. “Normalmente, os profissionais mais afetados são aqueles que possuem uma rotina intensa de trabalho e lidam diariamente com muita tensão e responsabilidade”, diz ela. O distúrbio também é frequente em pessoas que têm mais de um trabalho ou que precisam lidar com áreas diferentes dentro de uma mesma companhia.

 

- Publicidade -

Para se ter uma ideia da dimensão desse problema, segundo dados levantados pela International Stress Management Association (ISMA), 30% dos brasileiros já sofreram com a síndrome.

 

Renata reforça que algumas práticas comuns em ambientes de trabalho tóxicos são as principais responsáveis por desencadear a doença, que acontece por um acúmulo de estresse, como cobranças excessivas, prazos irrealistas, assédio moral, desvalorização do profissional, comunicação agressiva e desrespeitosa, falta de segurança psicológica, sobrecarga de trabalho e metas inalcançáveis.

 

Além disso, as novas dinâmicas de trabalho, como o home office, influenciaram na relação das pessoas com o emprego e contribuem para esses números. “Porém, isso não significa que o trabalho remoto é um vilão, muito pelo contrário. Mas, como em qualquer rotina, é preciso ter atenção à sobrecarga de trabalho e à produtividade tóxica”, lembra Renata.

Para a Head da orienteme, é fundamental que os time de recursos humanos atuem para promover um ambiente de trabalho saudável, desenvolvendo ações com o intuito de melhorar as condições de trabalho, as relações interpessoais e a qualidade de vida da organização.

 

Entre as iniciativas, ela exemplifica a criação de um canal de acolhimento e queixas, o estímulo ao diálogo sobre o tema, o desenvolvimento de programas e benefícios de bem-estar e a promoção de práticas de trabalho saudáveis.

 

Diferenças entre Burnout, Ansiedade e Estresse

Apesar de serem distúrbios semelhantes, o Burnout, a ansiedade e o estresse possuem diferenças bastante particulares. Enquanto o primeiro é causado necessariamente devido a fatores e situações relacionadas ao trabalho e se caracteriza pelo desgaste físico e mental em decorrência de circunstâncias inadequadas no emprego, o estresse e a ansiedade são reações naturais do corpo que podem se tornar transtornos quando seus sintomas se tornam recorrentes e intensos.

“Ambos podem ser causados por inúmeros fatores, não se restringindo a cenários profissionais”, esclarece a especialista. No caso do estresse, ela informa que se trata de uma resposta orgânica frente a cenários ameaçadores. “É algo relacionado à subjetividade, porque o que uma pessoa entende como ‘ameaça’ depende das perspectivas e concepções próprias dela”.

 

Já a ansiedade também é uma resposta orgânica, mas frente a situações inesperadas ou desconhecidas. “Ela se manifesta por meio de alguns sintomas físicos e mentais, como inquietação, coração acelerado, dificuldade de concentração, entre outros”.
Por isso, apesar de estarem associados e possuírem sintomas parecidos, Renata reforça que são transtornos diferentes. E destaca que, em todos esses casos, é necessário buscar ajuda de um profissional qualificado.

 

Sobre a orienteme

 

A orienteme é uma plataforma de gestão de saúde corporativa que mapeia a saúde da população da empresa, realiza o atendimento aos colaboradores de forma personalizada com psicólogos, nutricionistas e orientadores físicos licenciados, disponibilizando um portal corporativo exclusivo em tempo real para as empresas acompanharem a evolução da saúde de seus colaboradores.

Vencedora do prêmio Creator Awards da WeWork, atende grandes empresas e seguradoras como Unimed, Bradesco Saúde, Coca-Cola, Michelin e Capgemini.

Então, o que você achou desse conteúdo? Comente, compartilhe esse conteúdo e nos siga no Google Notícias e nossas redes Instagram, Facebook e Spotify

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.