Criatividade, marketing, branding, comunicação, design, empreendedorismo, inovação, futurismo e outras temáticas do universo da economia criativa.

Lei Maria da Penha: Desvendando 4 Mitos e Verdades sobre esta revolucionária lei

0

Desvendando Mitos e Verdades sobre a Revolucionária Lei Maria da Penha

- Publicidade -

Um Marco de 17 Anos na Luta contra a Violência Doméstica

No mês de agosto deste ano, celebramos um marco significativo na legislação brasileira: os 17 anos de existência da Lei Maria da Penha. Esta lei pioneira trouxe consigo a qualificadora de “violência doméstica” para os casos de lesões corporais, uma mudança crucial no Código Penal que tem se mostrado mais relevante do que nunca nos tempos atuais.

Talvez você goste de ler também:

Saiba Onde assistir o polêmico filme Sound of Freedom agora! Filme será lançado no Brasil em 2023? E no streaming?

- Publicidade -

Pet com mudança de lar? 4 dicas práticas para adaptar seu bichano em um novo espaço

Uma Triste Realidade: Estatísticas e Necessidade Contínua

O cenário não poderia ser mais alarmante: em 2022, o Brasil registrou 1,4 mil casos de feminicídio, evidenciando a persistente necessidade da política promovida pela Lei Maria da Penha. De acordo com o Monitor da Violência, uma morte ocorre a cada seis horas, em média. Este número, o mais alto desde a entrada em vigor da lei de feminicídio em 2015, chama a atenção para a urgência da manutenção e fortalecimento dessa legislação.

Efeito das Medidas: Uma Mudança Profunda

Mayra Cardozo, dedicada a casos pró bono no Instituto Maria da Penha, destaca a importância de compreender que essa lei não criou um novo crime, mas sim aprimorou as penalidades relacionadas à violência doméstica.

- Publicidade -

Construção Internacional: Levando a Luta Além das Fronteiras

A influência da Lei Maria da Penha ultrapassou as fronteiras nacionais, colocando o Brasil em destaque internacionalmente como defensor das mulheres. A advogada Poliane Almeida realça os marcos significativos que essa lei trouxe para os direitos femininos, incluindo mecanismos para combater a violência doméstica e familiar, a criação de juizados especializados e alterações legislativas relevantes.

Desvendando Mitos e Verdades

1. A Lei Maria da Penha não faz diferença

MITO. A lei desempenha um papel crucial na proteção das vítimas, estabelecendo penalidades mais rigorosas para agressores e providenciando medidas de proteção. Sua relevância permanece incontestável mesmo diante dos desafios contínuos.

2. A lei já passou por mudanças conforme os anos

VERDADE. Desde 2017, a Lei Maria da Penha passou por alterações relevantes, como a preferência de atendimento por profissionais do sexo feminino e a classificação do descumprimento das medidas protetivas como crime. Recentemente, uma mudança permitiu o afastamento do agressor do convívio da vítima, sem autorização judicial.

3. A Lei Maria da Penha não se aplica para mulheres trans

MITO. Em 2022, o STJ reconheceu a aplicabilidade da lei a mulheres trans, reforçando seus direitos e alinhando o Brasil a princípios internacionais dos direitos humanos.

4. A aplicação da lei ainda pode melhorar

VERDADE. Apesar de seu impacto histórico, a Lei Maria da Penha enfrenta desafios estruturais e culturais na luta contra a subnotificação. Medo, constrangimento e dependência econômica continuam a dificultar a denúncia das vítimas. A advogada Poliane Almeida enfatiza que, embora a lei seja potente, a mudança cultural é fundamental para sua eficácia completa.

Conclusão: Um Compromisso Contínuo

Enquanto celebramos os 17 anos da Lei Maria da Penha, é imperativo reconhecer seus sucessos e desafios. A persistência da violência doméstica exige uma abordagem multifacetada, combinando legislação rigorosa com mudanças culturais profundas.

Em um país onde a igualdade de gênero é um ideal a ser alcançado, a Lei Maria da Penha permanece como uma bússola direcionando a sociedade rumo a um futuro mais justo e seguro para todas as mulheres.

Então, o que você achou desse conteúdo? Comente, compartilhe esse conteúdo e nos siga no Google Notícias e nossas redes Instagram, Facebook e Spotify.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.