Criatividade, marketing, branding, comunicação, design, empreendedorismo, inovação, futurismo e outras temáticas do universo da economia criativa.

Desigualdade na hora de emagrecer: O Caso Ozempic no Brasil

0

Descubra como o Ozempic se tornou símbolo da disparidade no tratamento da obesidade e de emagrecer no Brasil e os caminhos para uma solução equitativa.

- Publicidade -

O Peso da Desigualdade

Imagine um mundo onde o acesso à saúde não é determinado pela condição financeira. Infelizmente, esse não é o caso quando se trata do tratamento da obesidade no Brasil.

Uma frase do endocrinologista Walmir Coutinho, da PUC-Rio, ecoa esse paradoxo: “Conheço vários casos de patroas com 24 de IMC que tomam o Ozempic toda semana, enquanto as empregadas domésticas delas têm 45 de IMC e seguem sem acesso aos remédios contra a obesidade.” Este relato, por mais chocante que seja, revela uma realidade amarga: quem realmente tem acesso aos recursos terapêuticos para alcançar um peso saudável?

Veja também: Remédios para emagrecer como Ozempic e Wegovy causam depressão?

- Publicidade -

Desigualdade na hora de emagrecer: O Caso Ozempic no Brasil
Pinterest

A Matemática do Peso: IMC Explícito

Antes de mergulharmos mais fundo, vamos entender o contexto. O Índice de Massa Corporal (IMC) é uma métrica simples que classifica se uma pessoa está dentro dos parâmetros considerados saudáveis, com base em seu peso e altura. Uma conta entre 18 e 24,9 indica valores esperados, entre 25 e 29,9 aponta sobrepeso, e acima de 30 indica obesidade.

O Poder da Medicina Moderna na Luta Contra a Obesidade

- Publicidade -

Por um lado, a Medicina testemunha uma “era de ouro” com o surgimento de medicamentos como Ozempic, Wegovy e Mounjaro, capazes de reduzir o peso em até 25%.

No entanto, o alto custo dessas opções farmacêuticas as torna inacessíveis para muitos, especialmente os mais pobres. Enquanto isso, a obesidade já afeta um em cada cinco brasileiros, com uma tendência preocupante de aumento, especialmente entre os menos privilegiados.

Transição de Peso: Uma Questão Socioeconômica

Remédios para emagrecer como Ozempic e Wegovy causam depressão? Entenda
Pinterest

Leia também: Energético: Bomba de Energia ou de Problemas? Descubra os impactos nocivos na saúde mental

O nutricionista Rafael Claro, da UFMG, destaca como as doenças crônicas e a obesidade historicamente afetam grupos socioeconômicos mais elevados. Ele aponta uma transição nos hábitos de consumo, trabalho e comportamento, onde o acesso à alimentação saudável tornou-se privilégio dos mais ricos.

A Era Dourada dos Tratamentos Contra a Obesidade

Com o surgimento de medicamentos como liraglutida e semaglutida, uma nova esperança surge para os pacientes com obesidade. No entanto, o alto custo desses tratamentos e a necessidade de uso contínuo criam uma barreira para aqueles que mais precisam.

O Desafio do Custo: Quem Pode Pagar o Preço?

Desigualdade na hora de emagrecer: O Caso Ozempic no Brasil
Pinterest

Os altos custos dos medicamentos antiobesidade criam uma disparidade no acesso ao tratamento. Enquanto os mais ricos podem arcar com os custos, os mais pobres são deixados de lado. O governo, por sua vez, enfrenta desafios orçamentários para incorporar esses tratamentos ao SUS.

Caminhos para a Equidade: Luz no Fim do Túnel?

Para resolver essa questão complexa, é necessário um diálogo constante entre governos, empresas, profissionais de saúde e pacientes. A queda das patentes e o aumento da concorrência podem ajudar a reduzir os custos dos medicamentos.

No entanto, uma abordagem holística que aborde as raízes socioeconômicas do problema é essencial para garantir um tratamento equitativo para todos.

Conclusão: Rumo a um Futuro Mais Saudável e Justo

A desigualdade no tratamento da obesidade é um desafio que exige uma resposta urgente e coordenada. Enquanto celebramos os avanços da medicina moderna, devemos também nos comprometer a garantir que esses avanços estejam ao alcance de todos, não apenas dos privilegiados.

Somente assim poderemos construir um futuro mais saudável e justo para todos os brasileiros.

Então, o que você achou desse conteúdo? Comente, compartilhe esse conteúdo e nos siga no Google Notícias e nossas redes Instagram, Facebook e Spotify.

Fonte: BBC

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.