Criatividade, marketing, branding, comunicação, design, empreendedorismo, inovação, futurismo e outras temáticas do universo da economia criativa.

5 PERIGOS de utilizar Inteligência Artificial generativa em vendas (o segundo item é cruel)

Se você trabalha com vendas é preciso ter cuidado com a inteligência artificial generativa segundo especialistas

0

5 cuidados ao utilizar IAs generativas em vendas

- Publicidade -

Especialista em vendas afirma que é preciso avaliar também os riscos da tecnologia para o setor

A Inteligência Artificial generativa ( que têm a capacidade de criar novas informações a partir de conjuntos de dados pré-existentes) tem demonstrado seu potencial para impulsionar a produtividade de diversos setores, inclusive, no de vendas.

De acordo com Octavio Garbi, Head de vendas da Ploomes, maior CRM da América Latina, embora tenha inúmeros benefícios, é preciso avaliar os riscos e manter uma cautela na hora de implementá-la ao setor.

Talvez você goste de ler também:

- Publicidade -

3 Coisas que o Bard do Google tem que o ChatGPT não oferece

Brasil sediará maior conferência internacional de Inteligência Artificial aplicada à Educação, veja

5 PERIGOS de utilizar Inteligência Artificial generativa em vendas

De acordo com estudos da McKinsey, cerca de 75% do valor que a IA generativa pode oferecer está concentrado em áreas como operações do cliente, marketing e vendas, engenharia de software e pesquisa e desenvolvimento. Além disso, ela também pode aumentar a produtividade, o número total de vendas de uma organização e, ainda, diminuir o tempo de resposta entre empresa e cliente.

 

Por outro lado, as precauções para garantir que essa tecnologia seja empregada de maneira adequada são inúmeras. Com tantos assuntos e lançamentos acerca disso, como o próprio ChatGPT, o Bard (do Google) e as novas redes sociais, Garbi alerta para os principais riscos associados ao uso de IAs generativas em vendas. Confira:

 

- Publicidade -

Falta de personalização

As IAs generativas podem gerar respostas automáticas ou recomendações padronizadas, sem levar em consideração as necessidades individuais dos clientes. Isso pode resultar em uma experiência impessoal e insatisfatória para os clientes.

 

Má compreensão das nuances humanas

As IAs generativas podem ter dificuldade em entender e interpretar corretamente as nuances da comunicação humana, como sarcasmo, ironia ou emoções sutis. Isso pode levar a respostas inadequadas que afetam negativamente a interação com os clientes.

 

Risco de erros ou informações imprecisas

As IAs generativas são treinadas com base em dados existentes, e podem cometer erros ou fornecer informações imprecisas se os dados de treinamento forem incompletos, desatualizados ou enviesados. Isso pode prejudicar a confiança do cliente e afetar negativamente as vendas.

 

Perda de conexão humana

As interações humanas nas vendas muitas vezes envolvem empatia, intuição e habilidades de comunicação interpessoal. A dependência exclusiva de IAs generativas pode levar à perda da conexão humana, o que pode afetar a confiança e a lealdade dos clientes.

 

Segurança e privacidade dos dados

O uso de IAs generativas em vendas requer o acesso a dados dos clientes. Isso levanta preocupações de segurança e privacidade, especialmente quando se trata de dados sensíveis ou pessoais. É essencial implementar medidas adequadas de proteção de dados para mitigar esses riscos.

 

Falta de flexibilidade e adaptação

As IAs generativas são projetadas para aprender com dados históricos e padrões existentes. No entanto, o cenário de vendas está em constante evolução, e as IAs podem ter dificuldade em se adaptar a novas tendências, preferências do cliente e mudanças no mercado.

“Ao implementar as IAs generativas em vendas é fundamental considerar os riscos e buscar um equilíbrio entre automação e interação humana. É preciso também compreender as implicações e limitações dessa tecnologia, alinhando-se de forma estratégica aos processos de vendas”, finaliza Garbi.

Sobre a Ploomes

Ploomes é a maior empresa de CRM da América Latina. Fundada em 2015 por Matheus Pagani, Vinicius Sampaio e Tiago Pagani, a marca tem como objetivo resolver um dos maiores problemas do mercado de CRM: o engajamento. Isso é possível devido à centralização das principais atividades de acompanhamento dos clientes, desde a chegada do lead até sua conversão e fidelização.

A empresa já recebeu aportes de Jander Martins, fundador de empresas como MasterSAF e Nexaas, tendo conquistado nos últimos dois anos um crescimento de mais de 200% no faturamento. Hoje, a Ploomes possui mais de 2 mil clientes, entre eles Phillips, Baterias Moura e Unimed e, em 2022 a empresa foi adquirida pela Sankhya, passando a fazer parte do grupo junto com outras empresas como Neppo Tecnologia e Ponto Tel.

Então, o que você achou desse conteúdo? Comente, compartilhe esse conteúdo e nos siga no Google Notícias e nossas redes Instagram, Facebook e Spotify

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.