Criatividade, marketing, branding, comunicação, design, empreendedorismo, inovação, futurismo e outras temáticas do universo da economia criativa.

CASO 123 Milhas: Veja como os clientes estão recuperando o seu dinheiro após suspensão de passagens

Empresa 123 Milhas pega clientes de surpresa com suspensão de emissão de passagens, saiba o que fazer

0

A Controvérsia com a 123 Milhas: Recomendações do Governo e Direitos do Consumidor

- Publicidade -

A agência de viagens 123Milhas gerou um alvoroço entre os viajantes quando anunciou, no último dia 18 de agosto, a suspensão da emissão de passagens para pacotes promocionais com datas de embarque previstas entre setembro e dezembro de 2023.

Diante dessa situação, o ministro da Justiça, Flávio Dino, emitiu uma recomendação aos consumidores afetados, aconselhando-os a procurar o Procon e outros órgãos de defesa do consumidor. Neste artigo, exploraremos o que levou a 123Milhas a tomar essa medida, as reações dos clientes e o que o governo e o Procon estão fazendo para proteger os direitos dos consumidores.

Talvez você goste de ler também:

CRÉDITO de R$ 21 mil para quem é MEI (Microempreendedor Individual): saiba como conseguir este dinheiro e alavancar os seus negócios

- Publicidade -

SneakerLover: descubra 5 tênis incríveis para VOCÊ montar looks estilosos

IMPERDÍVEL: Tire a sua CNH de graça: Prazo para se inscrever termina hoje às 23h59, não perca! 🚨🚨

O Anúncio da Suspensão dos Pacotes Promocionais

A 123Milhas, conhecida por suas ofertas de passagens aéreas e pacotes promocionais, chocou seus clientes ao anunciar que não mais emitiria passagens para pacotes com datas de embarque planejadas entre setembro e dezembro de 2023. Em resposta a essa decisão, o Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), aconselhou os consumidores a acionarem o Procon, os juizados especiais do consumidor e o Ministério Público.

As Reações dos Consumidores e a Controvérsia

- Publicidade -

A medida da 123Milhas gerou uma onda de insatisfação entre os clientes, que começaram a manifestar suas preocupações e reclamações nas redes sociais e em plataformas de reclamações, como o Reclame Aqui. A empresa justificou o cancelamento dos pacotes promocionais devido a “fatores econômicos e de mercado adversos”, citando pressões na demanda e nos preços das tarifas aéreas. Entretanto, essa explicação não aplacou a frustração dos consumidores.

Tanto o Ministério da Justiça quanto o Ministério do Turismo anunciaram investigações em relação à 123Milhas devido à situação. A Senacon destacou que notificará a empresa devido à oferta exclusiva de vouchers como forma de ressarcimento, o que é considerado inadequado pelas autoridades. O secretário Nacional do Consumidor, Wadih Damous, afirmou que, se forem encontradas irregularidades no processo de ressarcimento, um processo administrativo poderá resultar em sanções à empresa.

Os Direitos dos Consumidores em Questão

A cláusula contratual que permitiu à 123Milhas cancelar os pacotes de forma unilateral é considerada abusiva e, consequentemente, nula. Os consumidores têm direito ao reembolso que garanta que não sofram prejuízos, e a opção por vouchers não deve ser imposta nem exclusiva. O reembolso deve cobrir os valores pagos, com eventuais correções monetárias. Essa é uma importante salvaguarda para os direitos dos consumidores.

O Papel do Procon e das Autoridades

Diante dessa situação, o Procon de São Paulo também tomou medidas e notificou a 123Milhas para prestar esclarecimentos. O diretor de Atendimento e Orientação do Procon-SP, Rodrigo Tritapepe, mencionou a preocupação com a falta de atendimento aos consumidores e enfatizou que a empresa não pode deixar os clientes sem informações adequadas.

Considerações finais

Em resumo, a controvérsia envolvendo a 123Milhas destaca a importância da defesa dos direitos dos consumidores e da atuação de órgãos como o Procon e o Ministério da Justiça. A situação também serve como um lembrete de que, mesmo em situações desafiadoras, os direitos dos consumidores devem ser respeitados e protegidos. É fundamental que as empresas cumpram suas obrigações contratuais e ofereçam soluções adequadas para os clientes afetados, garantindo que não sejam prejudicados.

Então, o que você achou desse conteúdo? Comente, compartilhe esse conteúdo e nos siga no Google Notícias e nossas redes Instagram, Facebook e Spotify.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.